A Verdade é a Base do Verdadeiro Amor Cristão

sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz Ano Novo!!



Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fez o SENHOR a estes.
Grandes coisas fez o SENHOR por nós, pelas quais estamos alegres. (Salmos 126:2-3)

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

10 razões porque a pregação da Palavra deve ser o centro dos nossos cultos

Por Renato Vargens

O reformador francês João Calvino via a pregação do evangelho como o centro da vida e obra da igreja. Ele cria que a pregação era central na igreja porque ela era o modo de Deus salvar o Seu povo, até o ponto dele se considerar também um ouvinte: "Quando eu subo ao púlpito não é para ensinar os outros somente. Eu não me retiro aparte, visto que eu devo ser um estudante, e a Palavra que procede da minha boca deve servir para mim assim como para você, ou ela será o pior para mim. ", dizia ele.

Para Calvino a pregação da Palavra era um meio de graça para o povo de Deus - “Quando nos reunimos em nome de Deus”, ele dizia, “não é para ouvir meros cânticos" (diferentemente da nossa geração que valoriza extravagantemente o momento de louvor). Para Calvino, os que desenvolviam tais práticas se alimentavam exclusivamente de vento. Além disso, Calvino cria que a pregação deveria ser “sem exibição”, para que o povo de Deus pudesse reconhecer nela a Palavra de Deus e para que o próprio Deus, e não o pregador pudesse ser honrado e obedecido.

A luz deste background gostaria de trazer 10 razões porque a pregação das Escrituras deve ocupar o centro do nosso culto:

1- Cristo é exaltado - As Escrituras quando pregadas exaltam o nome do Senhor. É impossível expor a Bíblia sem que o nome do Eterno seja glorificado.

2- O homem é humilhado - A Exposição das Escrituras aponta para o estado de miserabilidade do homem. A pregação da Bíblia revela quem somos, nossas incongruências, idiossincrasias e pecaminosidade, revelando-nos que fora de Cristo todos estão mortos em seus delitos e pecados.

3- Somos reanimados no Senhor - As Escrituras quando  pregadas trazem sobre a finitude humana, o poder infinito de um Deus Soberano proporcionando com isso o reascendimento da chama da esperança.

4- Nossa psiquê é envolvida por graça - A Palavra de Deus quando pregada traz remédio para a alma cansada, refrigério para o abatido, alento para o desesperançoso.

5- A Igreja é edificada - Quando a Bíblia é proclamada nossas igrejas são edificadas. A exposição das Escrituras, ao contrário dos movimentos vazios contemporâneos, fazem com que o povo de Cristo cresça no conhecimento do Senhor.

6- Somos protegidos dos erros doutrinários - Calvino costumava dizer que as Escrituras Sagradas é o escudo que nos protege do erro. A Bíblia quando pregada nos traz orientações importantíssimas que se aplicadas em nosso cotidiano nos protegem das heresias e distorções teológicas propagadas pelos falsos profetas.

7- Nos tornamos pessoas mais comprometidas com Cristo - As Escrituras quando pregadas nos desafiam a viver como Cristo viveu. A Bíblia quando proclamada nos leva a desejarmos viver a vida cristã de forma santa, pura e abnegada.

8- Vivemos para a glória de Deus - A Bíblia quando pregada leva-nos a querer viver exclusivamente para a glória de Deus. 

9- Ansiamos pela volta do nosso Redentor - As Escrituras quando proclamadas nos levam a ima santa ansiedade pelo glorioso dia em que o Rei dos reis e Senhor dos Senhores voltará para  a sua igreja.

10- Somos reavivados - A Bíblia quando pregada reaviva nossa alma, aquece os corações, desperta-nos para oração, desafia-nos a intercessão enchendo nossos corações com o santo desejo de estar continuamente em sua santa presença.

Pense nisso!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Construção do Templo da Igreja Batista Graça e Paz

A Igreja Batista Graça e Paz surgiu há quatro anos, quando um grupo de irmãos decidiu dar continuidade a um trabalho onde o ensino das Sagradas Escrituras fosse a sua linha mestra. Em setembro de 2007, durante um culto inesquecível, a Igreja Batista Graça e Paz, até então uma congregação, foi abençoada com a ordenação do seu pastor Romildon Andrade e a distinção de denominação autônoma, sendo filiada à Associação Batista Norte Vale - Bahia. Com uma teologia reformada, centramos esforços no ensino, no evangelismo e na apologia das Escrituras.

 


Imagens da Construção do Templo – Igreja Batista Graça e Paz
Localizada na Rua Senhor do Bonfim, s/nº - Novo Encontro – Juazeiro/BA

 Início das Obras
 
 
 
 Paredes sendo erguidas
 
Atualmente a IBGP está congregando na Escola Municipal Maria de Lourdes
Modelo da Futura Igreja Batista Graça e Paz

Visite-nos! Você também pode contribuir com materiais de construção (cimento, blocos, etc). 
Entre em contato conosco através dos telefones abaixo:
Pr. Romildon Andrade – (74) 8808-2239 
Irmão Edilson Ricardo – (74) 8827-6352 
Irmão Neryvan Felipe – (74) 8823-1799


Uma igreja reformada servindo ao Senhor Jesus Cristo.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Papai Noel ou Jesus Cristo ?

Papai Noel começou a existir, segundo a tradição, na pessoa de São Nicolau, bispo de Mira, na Ásia Menor, no século IV d.C. Ele, segundo a tradição, foi um homem bondoso, que gostava muito das crianças, principalmente das pobres, a quem dava presentes. Essa figura mais tarde imortalizou-se num símbolo, que recebeu o nome de Papai Noel.

O tempo passou e um mito tomou o lugar de uma pessoa, Papai Noel tomou o lugar de Cristo. O Natal foi paganizado e secularizado. O sentido do Natal mudou. Até o Papai Noel mudou. O Papai Noel moderno é um mito, uma lenda, uma criação do comércio voraz. No início ele era a personificação do amor, das dádivas generosas. Hoje, ele virou garoto propaganda. Antes, ele era discreto, hoje, vive desfilando em carros alegóricos para provocar o apetite consumista da freguesia. Antes, ele dava presentes, hoje, vende presentes.

O Papai Noel foi concebido no ventre do consumismo materialista. Ele está a serviço do espírito mercantilista. Ele virou comerciante inveterado. O velho bojudo e barbado, de vestes vermelhas e com um grande saco nas costas, só traz alegria e presentes para as crianças que têm dinheiro. Ele passa longe das crianças pobres. Ele não se aproxima dos meninos de rua. Ele se transformou num comerciante sedento de lucro, num camelô inveterado, num símbolo do consumismo insaciável.

O Papai Noel de hoje é uma caricatura do espírito natalino; ele está na contra mão do sentido do Natal. O conteúdo do Natal é salvação. O espírito do Natal é doação. É Deus se fazendo homem, o rico se fazendo pobre, o senhor se fazendo servo. Natal é dádiva de amor. O Natal é para todos. O Natal é Jesus. Papai Noel é um intruso, é uma farsa, uma mentira, um roubador de cena. Os holofotes precisam estar colocados sobre Jesus e não sobre ele. Jesus é o dono, o sentido e a razão do Natal. Natal sem Jesus é festa pagã. Natal sem Jesus é festa gastronômica. Natal sem Jesus é apenas mercantilismo vazio. Precisamos recristianizar o Natal. Precisamos democratizar o Natal. O Natal são boas novas de grande alegria e de salvação para o todo o povo. 

Pobres e ricos podem comemorá-lo de igual modo. Precisamos devolver o Natal ao seu legítimo dono. Precisamos dar a glória devida a Jesus e fazer dele o centro do Natal. Precisamos comemorar o Natal com uma celebração festiva ao rei Jesus, que nasceu numa manjedoura, viveu como carpinteiro, morreu numa cruz, mas ressuscitou gloriosamente, para oferecer-nos o banquete da salvação. 

Que prevaleça a verdade sobre o mito!


Pr. Hernandes Dias Lopes

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Uma ilustração de Graça

Conta-se que um homem transitava por uma rua deserta de uma grande cidade, e ao seu lado seu filho de 9 anos, no qual andavam pegado na mão de seu amado pai, e muito alegre. Ele amava o filho, o filho amava o pai. E os dois vinham caminhando por aquela rua, numa tarde agradável, clima ameno, e de repente surgiu do nada um assaltante. O salteador anuncia o assalto, coloca o revólver na cabeça do pai, aquele homem não reage, diz que está disposto a entregar tudo o que quiser, e passa a carteira, passa o celular, passa o relógio, deixando-o apenas com a roupa do corpo. 

Antes de ir embora, o assaltante aponta o revólver para a cabeça do filho daquele homem e aciona o gatilho, à queima roupa, de uma forma que os miolos do menino saem pelo outro lado, vindo o garoto a cair ao chão. Aquele homem fica desesperado gritando por socorro, e o assaltante começa a correr, e na correria atravessando pela rua surgiu um carro em alta velocidade e atropela o assaltante naquela hora. Ele ficou lá estendido e o carro foi embora sem prestar socorro. Aquele homem olha para seu filho procurando ter alguma idéia de como socorrê-lo, olha para o assaltante, olha para seu filho e vê que já está morto, e olha para o assaltante onde ele se mexe, agonizando e precisando de socorro. Aquele homem lembra que seu carro está parado mais ali na frente, e ele então toma o assaltante pelos braços, leva-o para o seu carro, coloca-o deitado no banco traseiro, depois volta e pega o seu filho e coloca-o no banco dianteiro e rapidamente vai para o hospital.


Chegando ao hospital, ele descarrega seu filho no necrotério, vai para a emergência, tira o assaltante e leva-o a recepção, os maqueiros pegam o assaltante e leva-o para a sala de emergência. A enfermeira pede o nome do assaltante e ele responde que não sabe, e diz que ele foi atropelado. A recepção do hospital informa que aquele homem não será atendido se não der o calção, e o aquele homem dá seu cheque caução, vindo o assaltante a ser socorrido, foi operado, e dias depois o assaltante recebe alta. E aquele homem volta ao hospital e paga integralmente aquela conta.

Você teria a mesma atitude do pai do garoto? 
Você pagaria para salvar a vida do mal feitor?

Assim também se deu na relação de Deus conosco. Aquelas pessoas que pediam freneticamente a morte de Jesus e a libertação de Barrabás, aquela turba era a multidão que nos representava, pois se lá estivéssemos teríamos feito exatamente o mesmo... “Soltem Barrabás e prendam Cristo...” (Mt 27:17-21).


Estêvão bem falou em Atos 7:51-52 “Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais. A qual dos profetas não perseguiram vossos pais? Até mataram os que anteriormente anunciaram a vinda do Justo, do qual VÓS agora fostes traidores e homicidas;”, sendo esta mesma acusação está sobre nós, inclusive nós que já fomos alcançados pela graça do Senhor.

Como é possível!? Sou cristão, sou um salvo! Será que Jesus Cristo prestou favor a um pecador que torceu por Sua morte? Pois é exatamente isso, Sim! Ele pagou com Seu sangue na cruz por nós pecadores, ou melhor, por aqueles que o Deus deu ao Filho Jesus (João 17:11, 24). E o nome disso é GRAÇA, favor imerecido. A graça de Deus é um dos Seus mais extraordinários atributos (os demais são o Amor, Paciência e a Misericórdia).


É pela graça que somos salvos, é pela graça que Deus reabilita a Sua glória em nós, é pela graça que a glória do Senhor volta a brilhar em cada um nós.


Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. (Efésios 2:8)

Sola Gratia!

sábado, 10 de dezembro de 2011

10 Lições sobre o Amor à Igreja

Paulo nos ensina, em 1Tessalonicenses 3, dez importantes lições sobre como podemos expressar nosso amor ao povo de Deus:

1. Devemos amar nossos irmãos em Cristo. Temos de amar a igreja de nosso Senhor, a qual ele comprou com o seu sangue (Atos 20.28).

2. Devemos nos preocupar com o estado da fé da igreja. Nosso amor pela igreja passa direto pela condição de sua fé.

3. Devemos agir em favor da igreja. Paulo mandou Timóteo para lá. Diante de uma situação grave, Paulo fez sacrifícios pessoais que o privaram de seu principal ajudador para apoiar o povo de Deus em Tessalônica.

4. Devemos usar nossas próprias experiências de sofrimento, lutas e até mesmo nosso lidar com o pecado como um meio para encorajar e fortalecer nossos irmãos que passam pelos mesmos problemas. Podemos ter a tendência de ser duros com quem está fraco na fé ou esmorece, mas nossa fé é dádiva de Deus e deve ser um instrumento para ganhar nossos irmãos. Que, como Paulo, nos identifiquemos com nossos irmãos em sua fraqueza e compartilhemos com eles o que temos recebido graciosamente de Deus.

5. Devemos viver e andar por fé. Nossa conduta deve ser determinada por princípios, não por circunstâncias. Não devemos responder aos problemas e aflições da vida segundo o calor do momento, mas tendo a eternidade diante de nós.

6. Devemos nos alegrar com o progresso da fé do povo de Deus. As vitórias e graça que Deus concede ao seu povo deve ser sempre motivo de regozijo e felicidade para nós. Temos de ter prazer nessas coisas, e isso só é possível se nosso coração e alegria estiverem no Senhor (Sl 37.4).

7. Devemos orar fervorosamente em favor do povo de Deus. Nossa lista de oração deve contemplar os problemas e situações da vida, certamente – mas, mais importante ainda, deve contemplar as necessidades espirituais e anelar pelo crescimento do povo na Palavra e nos dons divinos. Veja que Paulo, mesmo sabendo das lutas, ora por crescimento no amor. Ele sabia que era a fé forte e o amor inflado que dariam meios de resistência em meio as lutas.

8. Temos de ter um senso da providência de Deus. O Deus trino está governando toda nossa vida. Temos de entender os caminhos de Deus e reconhecer que ele é soberano em toda e qualquer situação. Isso deve afetar nossa conduta, a forma como vivemos e respondemos diante de adversidades. Jó disse: “Bem sei que tudo podes e que nenhum de seus planos podem ser frustrados”.

9. Devemos guardar nosso coração e pedir que Deus faça crescer nele amor para com nosso irmão na fé – isso nos levará a uma vida de “santidade e sem culpa” no meio da comunidade cristã, a igreja.

10. Temos de ter a eternidade diante de nossos olhos. O toque da última trombeta deve ser tema de nossa mais profunda meditação. Jonathan Edwards, grande servo de Deus do passado, tinha esse senso da chegada de Cristo diante de si o tempo todo. Em suas resoluções, ele afirmou: “Resolvi jamais fazer qualquer coisa da qual eu deva ter medo, no caso de não restar mais do que uma hora para eu ouvir a última trombeta.”.

Encerro com as palavras do próprio Edwards, ao meditar sobre o retorno triunfante e definitivo de nosso Senhor Jesus Cristo:

“Cristo aparecerá na glória de seu Pai, junto de seus santos anjos, vindos nas nuvens do Céu…Essa será a mais inesperada visão para o mundo ímpio, a qual virá como um grito à meia noite. Mas com respeito aos santos, será uma visão de júbilo e a mais gloriosa de todas. Ver o Redentor vindo nas nuvens do Céu, encherá nosso coração da mais profunda e indizível alegria”.



Extraído do Blog Fiel

domingo, 4 de dezembro de 2011

Agradeço a Jesus Cristo pela graça alcançada

Pr. Daniel Rocha

Onde quer que andemos pela cidade de S.Paulo deparamo-nos com inúmeros cartazes, faixas e letreiros pendurados nas fachadas das casas e nos postes com a seguinte inscrição:
"AGRADEÇO A SANTO EXPEDITO PELA GRAÇA ALCANÇADA".

Fiquei curioso: quem é esse tal homem que está resolvendo o problema de tantas pessoas?

Resolvi procurar na Bíblia para ver se aparecia o seu nome, se ele tinha andado com Cristo ou com Paulo. Quem sabe ele fosse um dos discípulos? Minha busca deu em nada: não aparece Santo Expedito na Bíblia. Fui pesquisar então na História e finalmente achei o homem: ele foi comandante de uma legião romana, converteu-se ao cristianismo e morreu martirizado no ano 303. Diz a história que no momento de sua conversão apareceu um corvo (simbolizando o mal) que lhe falou: "Cráss" que significa "amanhã" em latim. O corvo queria que ele deixasse a conversão para outro dia. Ele não aceitou e esmagou o corvo com o pé direito, afirmando "hodie" (que significa hoje). "Não vou deixar nada para amanhã". Ficou conhecido, então, como o santo que resolve as coisas com rapidez.

Continuei pesquisando para ver quando foi sua ressurreição, mas não há menção desse fato. Ora, se não ressuscitou como Jesus significa então que ele está no Paraíso, aguardando o Dia do Juízo, junto com o ladrão da cruz, junto com Pedro, com Maria, e todos os mais que morreram em Cristo.

Eu até creio que após sua conversão Expedito foi um homem bom e justo. Mas agora encontra-se completamente impossibilitado de atender minhas preces e nem sequer sabe que eu existo.

Outro dia recebi um e-mail ensinando-me a pedir as coisas para Santo Expedito. Ao final dizia para remeter a mesma mensagem para mais 15 pessoas e não quebrar a corrente. Como eu não quero mexer com os mortos (e acho que quem já morreu merece descanso), ao invés de mandar aquela mensagem, eu escrevi uma outra que passei adiante e dizia assim: AGRADEÇO A JESUS PELA GRAÇA ALCANÇADA, POIS....

....é Jesus que atende às causas impossíveis ("Porque sem Mim, nada podeis fazer - João 15.5);

....é Jesus que se alegra quando pedimos as coisas apenas em Seu Nome ("E tudo o que pedirdes em meu Nome, eu o farei" - João 14.13)

....é Jesus o único "intermediário" entre Deus e os homens ("Porque há um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus - 1Timóteo 1.5)

....é Jesus o único com poder para interceder por nós ("Cristo Jesus está à direita de Deus e intercede por nós" - Romanos 8.34)

....é a Jesus quem Maria recorreu quando acabou o vinho na festa de casamento e disse: "façam tudo o que Ele vos disser" - João 2.5

MAS ATENÇÃO: Para receber a Graça NÃO PRECISA passar essa mensagem adiante. É necessário apenas Fé em Jesus Cristo e nada mais.

"Buscar-Me-eis e Me achareis quando Me buscardes de todo o vosso coração. (Jeremias 29:13)

Deus te abençoe!

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

As Falhas do Apóstolo Paulo

Assista com atenção a este vídeo e entenda o que o Irmão Rubens quer dizer.



Você acha que o Senhor Jesus, ou o apóstolo Paulo estariam nestas igrejas onde o irmão acabou de mencionar tais métodos?
Neste sermão o irmão Rubens está justamente fazendo uma ironia aos evangélicos contemporâneo, o qual, são as igrejas que atualmente pregam estas práticas mencionadas pelo mesmo.

Todas as igrejas cristãs creem nas Escrituras e aproximam-se dela como Palavra de Deus. Porém, nem todas têm o mesmo conceito das Escrituras. A Bíblia não apenas contém a Palavra de Deus, a Bíblia é a Palavra de Deus. A Bíblia não é uma dentre as regras de fé e prática, mas nossa única regra de fé e prática.

Em primeiro lugar, as Escrituras são inerrantes, pois Jesus Cristo foi enfático em dizer que as Escrituras não podem falhar. Ele disse, também, que a Palavra de Deus é a verdade. Não há erros nas Escrituras. Não há contradição nos seus registros. Pode passar o céu e a terra, mas a Palavra de Deus não vai passar. Ela permanece para sempre. Suas profecias se cumpriram, estão se cumprindo e cumprir-se-ão à risca. Deus conhece a história antes de ela acontecer. O próprio Deus que inspirou as Escrituras é quem dirige os destinos da história.

Em segundo lugar, as Escrituras são suficientes, pois nada pode ser acrescentado às Escrituras. Ainda que um anjo venha do céu e pregue outro evangelho, além do que está registrado nas Escrituras, deve ser decisivamente rejeitado. Não precisamos de novas revelações. Tudo que precisamos saber para a nossa salvação, santificação e serviço está contido nas Escrituras. Devemos conhecê-la, obedecê-la e proclamá-la com fidelidade e senso de urgência.

E em terceiro lugar, as Escrituras são eficientes, pois elas realizam todo o propósito de Deus. Elas não voltam para Deus vazia. Elas são mais preciosas do que o ouro e mais doces do que mel. Elas são não apenas inspiradas, mas também úteis para toda a correção, repreensão e ensino. É por meio delas que Deus chama seus eleitos. É por meio delas que Deus santifica seu povo. É por meio delas que Deus consola seus filhos. É por meio delas que Deus fortalece a sua igreja e a equipa para cumprir sua missão.

Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade. (João 17:17)


Neryvan
Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.
Joã

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

O Neopentecostalismo e a Igreja Evangélica Brasileira



O Programa Consciência Cristã em Foco fez uma pequena entrevista com o blogueiro e Pastor Renato Vargens, onde o tema é: O Neopentecostalismo e a Igreja Evangélica Brasileira.

Nos nossos dias, juntamente com as doutrinas pentecostais têm surgido muitas doutrinas paralelas, como a chamada Confissão Positiva, que inclui o Evangelho da Saúde e da Prosperidade, a Quebra de Maldições, as Maldições Hereditárias, Maldição de Família e Pecado de Geração, Nova Unção; apregoadas por supostos avivalistas em acampamentos cristãos, em congressos, em escolas bíblicas de férias, através da mídia e por mentores católicos carismáticos que promovem as doutrinas do Toque do Dom, da Cura Diferencial e do Exorcismo.

O movimento neo-pentecostal chegou no Brasil na década de 70, e embora seja possível estabelecer uma semelhança entre o pentecostalismo e o neo-pentecostalismo, as diferenças entre esses dois grupos protestantes são maiores que qualquer semelhança que possam ter.

Uma das principais características do movimento neo-pentecostal é a sua excessiva ênfase na necessidade de sinais que comprovem a autenticidade da palavra pregada, mas o que estes pregadores "sinaleiros" esquecem é que essa incansável busca por uma materialização do imaterial e toda essa ênfase na experiência sensível é uma das características marcantes de uma geração que Jesus chamou de má e incrédula conforme versículos abaixo.

Então alguns dos escribas e dos fariseus tomaram a palavra, dizendo: Mestre, quiséramos ver da tua parte algum sinal. Mas ele lhes respondeu, e disse: Uma geração má e adúltera pede um sinal, porém, não se lhe dará outro sinal senão o do profeta Jonas; (Mateus 12:38-39)


Neryvan

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Evangelismo no Bairro Tabuleiro

"Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. (1Tessalonicenses 5:18)"

No dia 14 de novembro foi realizado com muito louvor o culto de ação de graças pela restauração da saúde do irmão Adão, onde ele encontrava-se bastante enfermo, ocasionado por um AVC (acidente vascular cerebral), ou também chamado de Derrame Cerebral. 

Pela graça de Deus, hoje o irmão Adão está FIRME e FORTE dando glória a Deus por sua recuperação. O culto foi uma bênção, muito edificante, onde o Pastor Romildon pregou com base em Romanos 8:31-39, sobre a verdadeira vitória, que é somente em Cristo Jesus.
"Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas?  Quem intentará acusação contra OS ESCOLHIDOS de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. (Romanos 8:31-39)"

Confira as fotos:

Glorificado Seja o nome do Senhor Jesus!


Neryvan

terça-feira, 22 de novembro de 2011

A parábola do Lápis

O fabricante de lápis disse a cada um dos seus lápis:
- Há cinco coisas que precisas saber antes de enviar-te para o mundo. Sempre que te lembres delas, tornar-te-ás melhor lápis do que és.

1 - Farás grandes coisas, mas só se estiveres seguro na mão de alguém;

2 - Experimentarás um doloroso processo de ser afiado de vez em quando, mas é necessário se quiseres tornar-te um lápis melhor;

3 - Poderás corrigir qualquer mal-entendido que ocasionares;

4 - A tua parte mais importante sempre estará do lado de dentro;

5 - Não importa a condição, continua a escrever; deixa sempre uma marca clara elegível, mesmo nos dias difíceis;

Todos prometeram lembrar-se sempre disso e entraram na caixa. Compreenderam plenamente o propósito do fabricante.


Lembre-se: “Cada um de nós é como um lápis"

1 - Deus é o nosso criador e precisamos estar sempre seguros nas Suas mãos para cumprirmos os Seus propósitos. Somente assim poderemos fazer grandes coisas para Ele.

2 - Ás vezes DEUS nos corta, nos limita, nos prova, nos deixa passar por momentos duros. Assim, ELE nos afia para melhor escrevermos as coisas que Ele quer. E sendo nós Seus filhos, por mais que errarmos, Ele não deixará de punir-nos, mas com amor nos arrancará da lama e trará de volta aos seus braços.

3 - Deus pode mudar qualquer coisa em nós. Pertencemos a Ele, mesmo que erremos, Ele perdoa-nos e ensina-nos a recomeçar. Se quebrarmos, Ele faz-nos de novo para Sua honra e glória.

4 - O seu coração, a sua mente, os seus desejos são mais importantes do que o exterior. Viva para o “ser” e não apenas para o “ter” ou aparecer.

5 - Não importa o tamanho dos desafios, da angústia que tiver, continue a escrever. Não importa o valor do lápis, o importante é que ele escreva e o que está a ser escrito através dele. Confie em DEUS de todo teu coração e não se apóie na sua própria inteligência.

Lembre-se de DEUS e glorifique-o em tudo o que fizer, e Ele lhe mostrará o caminho certo.

Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nEle, e o mais Ele fará. (Salmos 37:5)
  

terça-feira, 15 de novembro de 2011

O que Deus quer de nós?

Miquéias 6:1-8

1. Ouvi agora o que diz o SENHOR: Levanta-te, contende com os montes, e ouçam os outeiros a tua voz. 
2. Ouvi, montes, a demanda do SENHOR, e vós, fortes fundamentos da terra; porque o SENHOR tem uma demanda com o seu povo, e com Israel entrará em juízo.

3. O povo meu; que te tenho feito? E com que te enfadei? Testifica contra mim.

4. Pois te fiz subir da terra do Egito, e da casa da servidão te remi; e enviei adiante de ti a Moisés, Arão e Miriã.

5. Povo meu, agora do que consultou Balaque, rei de Moabe, e o que lhe respondeu Balaão, filho de Beor, e do que aconteceu desde Sitim até Gilgal, para que conheças as

6. Com que me apresentarei ao SENHOR, e me inclinarei diante do Deus altíssimo? Apresentar-me-ei diante dele com holocaustos, com bezerros de um ano?

7. Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros, ou de dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o fruto do meu ventre pelo pecado da minha alma?

8. Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a misericórdia e andes humildemente com o teu Deus?


Conforme o contexto acima, ouça aqui o sermão expositivo completo, onde o Pr. Romildon esclarece a discussão entre Deus e o seu povo.








Soli Deo Gloria!

domingo, 13 de novembro de 2011

A mão de Deus nas catástrofes da terra

Do Senhor dos Exércitos vem o castigo com trovões,
com terremotos, grande estrondo, tufão de vento,
tempestade e chamas devoradoras.”
(Isaías 29:6)


Qual deve ser a nossa reação diante das catástrofes e calamidades?

A ira de Deus é o desagrado santo contra o pecado. Assim como o pecado pertence a pessoas, a ira sobrevém àquelas que praticam o pecado. Através de qualquer porta por onde o pecado tenta entrar, ali a ira de Deus nos encontra. A realidade da ira de Deus faz parte da mensagem bíblica tanto quanto a sua graça. Deus dá a sua ira por peso, mas a sua misericórdia sem medida.

A ira está associada contra seus pedados, a misericórdia está associada com os homens em suas misérias. Deus tem duas mãos: a da direita de misericórdia e a da esquerda de justiça. A misericórdia de Deus se renova cada manhã para com o seu povo e a sua ira se renova cada manhã contra os ímpios. Estão mais preparados para as maiores misericórdias aqueles que se acham indignos das menores.

Sermão baseado em Isaías 29:6, o Pr. Edson Rosendo dividiu o sermão em dois pontos:

1) A Mão de Deus é a causa da tormenta.
2) As calamidades que acontecem são um misto de juízo e misericórdia da mão de Deus.

Ouça aqui a pregação completa:


Agora, estou resolvido a fazer aliança com o Senhor, Deus de Israel, para que se desvie de nós o ardor da sua ira.(2Cr 29:10)

Louvai ao Deus Soberano; porque a sua benignidade dura para sempre.

Qual dessas igrejas você desejaria?

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Quando os lobos atacam as ovelhas


O apóstolo João, em sua segunda carta, versículos 7 a 11, fala acerca de três perigos que a igreja enfrenta em relação aos falsos mestres e enganadores, que como lobos, espreitam as ovelhas de Cristo. Os falsos mestres sempre existiram e sempre procuraram se infiltrar no meio do rebanho para atacar as ovelhas. Esses enganadores negam, por exemplo, as verdades essenciais da fé cristã, como a encarnação de Cristo e sua morte vicária na cruz. Eles têm o mesmo espírito do anticristo e vêm para preparar seu caminho (2João 7). Esses lobos nem sempre colocam as unhas de fora. Na maioria das vezes, travestem-se de ovelhas para entrar no aprisco e devorá-las. Que cautela a igreja precisa ter? Quais são os perigos que precisamos evitar para não sermos atacados por essa alcateia de lobos?

1. O perigo de tornar atrás (2João 8) - João alerta aos crentes para ficarem atentos a fim de não retrocederem e não perderem aquilo que foi realizado com esforço pelos verdadeiros obreiros de Deus. Quem retrocede na fé, quem escuta a voz dos falsos mestres e quem se afasta da igreja do Deus vivo para dar ouvidos às heresias perniciosas dos falsos mestres rifa sua própria alma no balcão do engano. O apóstolo João recomenda cautela, pois os falsos mestres não se apresentam como tal. Eles vêm com voz suave. São simpáticos, atraentes, bons comunicadores. Parecem sempre estar na frente, trazendo revelações novas e espetaculares. Mas, sorrateiramente ou mesmo explicitamente negam as verdades fundamentais da fé cristã e desconstroem os pilares do cristianismo. Seguir esses aventureiros é desviar-se da fé, é mergulhar na escuridão da mentira de Satanás e colocar os pés no caminho largo que conduz à perdição.

2. O perigo de ir além (2João 9) - Os falsos mestres sempre ficam aquém das Escrituras ou vão além delas. Eles ultrapassam a doutrina de Cristo. Não têm a Palavra de Deus como única regra de fé e prática. Acrescentam à Bíblia alguma nova revelação. Ao fazerem isso, negam a veracidade e a suficiência das Escrituras. Negam também a Pessoa e a obra perfeita e completa de Cristo. Negam a salvação pela graça e introduzem mentiras perniciosas, fazendo-as passar pela última verdade a que todos os homens devem se render. O apóstolo Paulo já havia alertado aos crentes da Galácia que ainda que um anjo de Deus viesse do céu para pregar outro evangelho, além daquele que foi pregado, deveria ser rejeitado veementemente. Só há um evangelho. Só há uma mensagem salvadora. Buscar outros caminhos, outras fontes e outras revelações é cair num abismo trevoso, é desviar-se da verdade, é apostatar-se da fé.

3. O perigo de ir junto (2João 10,11) - O apóstolo João é enfático em dizer que não podemos receber em nossa casa aqueles que trazem em sua bagagem a falsa doutrina, aqueles que negam nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo como nosso único e suficiente Salvador e Senhor. Não podemos dar as boas vindas a esses lobos travestidos de ovelhas, pois fazer isso é tornar-se cúmplice de suas obras más. Os falsos mestres são incansáveis em sua jornada de morte. Eles são itinerantes. Batem de porta em porta e buscam sempre uma oportunidade para enredar alguém com sua astúcia. A única forma de mantermos esses lobos fora do aprisco, longe das ovelhas e distante da nossa casa é firmarmo-nos na verdade. Sem o conhecimento das Escrituras, não teremos discernimento necessário para distinguir entre o lobo e a ovelha, entre a verdade e a mentira, entre o verdadeiro evangelho e o falso evangelho. Nesse tempo em que a sociedade organizada, por meio de suas mais respeitadas instituições, conspiram contra os valores espirituais e morais que devem reger a família. Nesse tempo em que florescem como cogumelo novas seitas bem como novas igrejas introduzindo novidades estranhas às Escrituras, arrebatando multidões aos seus redutos, precisamos nos acautelar e dar ouvidos à exortação do apóstolo João: Não torne atrás! Não vá além da doutrina! Não caminhe junto com os falsos mestres!

Examinai as escrituras!

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

As crianças devem ser conduzidas à salvação


A Palavra de Deus e as Crianças 

Se há um assunto negligenciado e ignorado pela maioria dos membros das igrejas cristãs é o assunto relacionado à alma das crianças. A maioria esmagadora dos crentes parece ainda nutrir os conceitos da igreja romana da inocência das crianças, de que, ao nascer, uma criança nasce um anjo e de que as crianças nascem salvas pelo simples fato de serem crianças.

É por pensar desse mesmo modo romano que vemos pais crentes mais preocupados com a saúde dos filhos, com a boa escola, com bons esportes, preocupados em colocar seus filhos em excelentes escolas de línguas, de balé, de algum esporte promissor, de lhes prover de computadores modernos, videogames e outros supérfluos que abundam nas prateleiras das grandes lojas, do que mesmo em lhes apresentar Jesus, em lhes convencer do pecado e da necessidade do novo nascimento. 

Eles vêem a Escritura dizer que as crianças nascem culpadas e não inocentes, que são concebidas em pecado e não em santidade, que nascem e se desencaminham proferindo mentiras, mas parecem não crer em nada disso. No entanto, a Palavra de Deus ordena que levemos os pequeninos a Cristo, que não sirvamos de empecilho a eles nessa caminhada, que lhes saturemos a mente e o coração com os ensinamentos da Palavra de Deus, mostrando-lhes os atos portentosos de Deus por toda a Escritura, mostrando-lhes a grandeza e a graça de Deus, mostrando-lhes a pessoa e a obra de Jesus. 

A Escritura mostra que as crianças precisam de novo nascimento, pois, se alguém não nascer de novo, não entra no reino de Deus. A Bíblia mostra crianças que nasceram de novo ainda muito novinhas, outras desde o ventre materno. Mostra crianças vivendo em santidade e dando respostas tão bíblicas a ponto de impressionar (e envergonhar) adultos.

Quando nasce uma criança, nasce um pecador, que carece da glória de Deus, tanto quanto um adulto. 

Este sermão foi proferido na Igreja Batista Reformada em Caruaru, pelo Pr. Edson Rosendo de Azevedo. Foi baseado em Lucas 18:15-17 e responde à seguinte pergunta: Por que as Crianças Devem Ser Conduzidas à Salvação?

São quatro respostas:
1) Porque as crianças são pecadoras;
2) Porque há Impedimentos para essa condução;
3) Porque Jesus ordena que elas sejam trazidas a Ele;
4) Porque Jesus as tomou como modelo de receptividade à Palavra.


Ouça aqui o sermão completo com o Pastor Edson Rosendo:





Pastor Edson Rosendo
http://reformadoscaruaru.blogspot.com

sábado, 5 de novembro de 2011

As Chaves da Vitória



Neste vídeo, o Pastor Hernandes fala sobre alguns pontos que, com a intervenção divina, podem reverter certas situações daquele que se sente cercado, em tempestade, ou enfrentando grandes problemas.

Que Deus abençoe você e sua família!

quinta-feira, 3 de novembro de 2011